jusbrasil.com.br
5 de Dezembro de 2020
    Adicione tópicos

    Especialistas defendem descriminalização do uso de drogas

    Câmara dos Deputados
    Publicado por Câmara dos Deputados
    há 11 anos

    A defesa da descriminalização do uso de drogas dominou os debates do seminário realizado nesta quarta-feira pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias para discutir experiências e leis nacionais e internacionais relacionadas às políticas de enfrentamento e redução de vulnerabilidades e danos no consumo.

    O deputado Paulo Teixeira (PT-SP), organizador do seminário, defendeu a descriminalização do uso e do porte de drogas para consumo pessoal. Ele sugeriu ainda que o grande e o pequeno traficante sejam tratados de forma diferenciada, podendo o pequeno ter pena alternativa.

    Além disso, o parlamentar propôs a redução de pena para os réus primários. E, para cortar o vínculo do viciado com o traficante, Teixeira quer que seja regulamentado o plantio de drogas na casa do usuário. "Esse tema é polêmico, mas precisa ser tratado", afirmou.

    Inserção do preso

    Na opinião do parlamentar, a dificuldade de inserção do preso no mercado de trabalho já é motivo para se evitar a prisão de pequenos traficantes. Ele informou que 20% dos presos condenados por crimes relacionados a drogas estavam com pequenas quantidades.

    Glenn Grenwald, do Cato Institute (EUA), informou que com a descriminalização do uso de drogas em Portugal, há oito anos, o número de mortes por causa do uso dessas substâncias diminuiu quase 50%. Segundo ele, hoje há consenso político no país de que a descriminalização funciona muito bem.

    Para a professora Luciana Boiteux, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o Brasil deve seguir o exemplo de Portugal e descriminalizar o uso de drogas. Ela também defendeu penas alternativas para o pequeno traficante e a possibilidade de substituição de pena por medidas que incluam a qualificação profissional. "Uma nova política de drogas deve ser mais realista e menos penal", observou.

    Governo ampliará pesquisa

    Já Paulina Duarte, da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad), disse que o governo federal vai ampliar uma pesquisa sobre drogas feita no Rio de Janeiro (RJ) e em Brasília (DF) pela professora Luciana, a fim de que os deputados tenham dados para convencer seus pares sobre a necessidade de mudança na lei.

    De acordo com a pesquisa, vários pessoas que poderiam ser enquadradas como usuárias estão presas como traficantes. Ainda segundo a pesquisa, 50% dos presos no Rio e em Brasília estavam com até 104 gramas de maconha.

    O padre Valdir Silveira, da Pastoral Carcerária no estado de São Paulo, ressaltou que a grande maioria dos presos é usuária de drogas. Ele contou que uma mulher foi presa por levar 2 gramas de maconha para o marido usuário que estava na prisão. O padre citou ainda outras casos de prisão como o de uma mãe que não sabia que o filho era usuário. A polícia encontrou no carro dela a droga do filho e ela foi presa.

    Para a deputada Jô Moraes (PCdoB-MG), os maiores desafios quando se trata de mudança na lei são a redução de danos, cuidados com a saúde do usuário, e a preocupação em excluir as alternativas militares no combate ao narcotráfico. Neste último ponto, a deputada fazia referência implícita à instalação de bases militares dos Estados Unidos na Colômbia.

    Notícias relacionadas:

    Especialistas pedem pesquisas para que Estado possa combater crack

    Segurança Pública agrava pena para produção e tráfico de crack

    Relator quer discutir crack como causa da violência urbana

    Projeto torna dolosos crimes praticados sob efeito de drogas

    Deputados vão verificar presença de bases militares na Colômbia

    Reportagem - Oscar Telles

    Edição - Newton Araújo

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)